quarta-feira, novembro 13, 2013

Escada de Pedrarias

Pintura de William Blake


Uma escada suspensa no pátio havia
Em pedrarias tecida.

De um lado a relva fofa
Convidativa
No outro o azul da água
Que serena se mexia.

Os pássaros afinavam
Em suaves trinados
Saint-Saens e Stravinsky

Enquanto
Com seus gritos alucinantes
Dançava um fantasma
À luz do dia
Tentando
Retirar da escada a alegria
O brilho das pedrarias.

Nos passos do silêncio da noite
Chegavam o verde-azul das mãos
Que o sorriso lhe estendiam.

Pousava docemente 
E então
Adormecia…




5 comentários:

  1. Para ti, amiga, o poema em tempos idos, e os meus agradecimentos pela maravilhosa pintura de William Blake com que o valorizaste.
    Um bjinho e uma flor

    ResponderEliminar
  2. http://climapoetico.blogspot.pt/

    Visitem e comentem!
    Cumpriemntos!

    ResponderEliminar
  3. Belo poema,
    que se retem
    docemente adormecido!

    entre o silêncio e a gritaria
    uma escada em suspenso
    no brilho de uma luz descida
    que em repouso se subia

    Beijos!

    ResponderEliminar
  4. Sim senhor, divina escadaria!
    Amita surprende-nos.
    Um beijo para o Blog Portuguesa Poesia e uma flor para a autora.

    ResponderEliminar

Caros visitantes e comentadores:

Obrigada pela visita... é importante para cada um dos autores da poesia constante deste blogue que possas levar um pouco deles e deixar um pouco de ti… e nada melhor que as tuas palavras para que eles possam reflectir no significado que as suas palavras deixaram em ti.

E porque esta é uma página que se pretende que seja de Ti para TODOS e vice-versa, não serão permitidos comentários insidiosos ou pouco respeitadores daquilo que aqui se escreve.

Cada um tem direito ao respeito e à dignidade que as suas palavras merecem. Goste-se ou não se goste, o autor tem direito ao respeito da partilha que oferece.

Todos os comentários usurpadores da dignidade dos seus autores são de imediato apagados.

Não são permitidos comentários anónimos.
Cumprimentos,